Ho´oponopono, você sabe o que é isso?

Você já ouviu falar de Ho´oponopono? Uma prática ancestral de cura havaiana praticado pelos Kahunas, povo nativo do Havaí.
Essa experiência se tornou conhecida através do Dr. Ihaleakala Hew Len, psicólogo, que ajudou a curar toda uma ala de criminosos que sofriam de doenças mentais, sem jamais atender profissionalmente nenhum deles.
Ele pegava a ficha dos pacientes do departamento de psiquiatria e uma a uma utilizava esse método havaiano. Depois de algum tempo, o esse departamento do Hospital foi fechado por falta de pacientes. Foi observado que a técnica, feitas repetidas vezes alterou o estado mental emocional e comportamental desses pacientes. Incrível não?

Aonde ele atua?
O mais incrível é que o Ho´oponopono atua através da limpeza feita no nosso inconsciente, pois acredita que no momento que sentimos dentro de nós qualquer incômodo em relação a uma pessoa, lugar, acontecimento ou coisa, esse processo primeiro se iniciou dentro de nós. E limpar essa memória que causa esse incômodo limpa as memórias que estão contribuindo para aquele problema. É no inconsciente que nossos problemas residem, mais especificamente na memória emocional ligada a alguma dor. E é lá que esse programa oculto precisa ser limpo.

Então a ideia é: limpe dentro de você o que está contribuindo para esse problema. Nós somos como um computador. Programas foram sendo instalados muitas vezes sem o nosso consentimento, mas se alojaram ali e nós não percebemos. E muitas vezes, atraímos situações e pessoas que tem o mesmo programa, daí a sintonia, seja ela positiva ou negativa.

Hey, difícil de acreditar? Pode ser, mas eu, há muitos anos pratico essa técnica e vou contar para vocês como eu faço. Você pode achar o seu modelo.

Vai aqui um exemplo:
Outro dia, antes de dormir, eu comecei a sentir uma enorme angústia. Foi de supetão. Comecei a fazer uma retrospectiva do meu dia e ver se eu achava algo. Não achei nada que fizesse sentido eu sentir aquilo. Aí, veio a imagem de uma pessoa que está indiretamente ligada a mim, mas não nos conhecemos pessoalmente. Humm, pensei, tá, vou fazer o Ho`oponopono. Eu costumo pegar meu Japamala, sabe o que é isso? Ele parece um terço católico, mas é oriental e geralmente tem 108 contas. Você acha em casas que vendem produtos budistas ou indianos. Eu costumo fazer as 4 declarações que são: “Sinto muito. “Me perdoe.” “Te amo.” “Sou grata.” 108 X 4, ou seja, dar 4 voltas no Japamala.
Dito e feito, quando terminei, não sentia mais nada, era um campo neutro. Você não precisa entender racionalmente porque essa memória veio, ou porque aquela pessoa. É uma comunicação (libertação) direta com o inconsciente. Tudo o que veremos daqui para frente nesses próximos anos serão processos de cura atuando nas profundezas do nosso eu, sem necessariamente a participação da mente racional (ego) que tende a querer controlar e entender tudo. Solte a necessidade de controle e verá os milagres acontecerem. Você não acredita? Então experimenta. Sabemos hoje, através de estudos da neurociência e da física quântica que o fato de observarmos um objeto já influencia a sua jornada. Ou seja, se não estivéssemos ali, esse observado teria uma jornada diferente.

Como começou?
A querida Mornah Nalamaku Simeona, uma mulher Kahuna, foi a criadora e metre principal do Ho`oponopono. Em sua mesa havia uma placa com os dizeres: “A paz começa comigo”.
Então vamos lá, para fazer a prática você não precisa de nada (eu uso o Japamala, mas não é necessário), somente estar presente. No momento que sentir algum incômodo de qualquer natureza afirme:
“Divindade, limpe em mim o que está contribuindo para este problema”
“Sinto muito. Me perdoe. Te amo. Sou grato.”
“Divino Criador, pai, mãe, filho em Um…
“Se eu, minha família, meus parentes e ancestrais lhe ofendemos, à sua família, parentes e ancestrais em pensamentos, palavras, atos e ações do início da nossa criação até o presente, nós pedimos seu perdão…
Deixe isto limpar, purificar, libertar, cortar todas as recordações, bloqueios, energias e vibrações negativas e transmute estas energias indesejáveis em pura luz… Assim está feito.”
Repita várias vezes, você pode destacar uma que lhe toca mais naquele momento e repeti-la. Deixe sua intuição te guiar. E depois me conta.

Sobre a Divindade
Eu, Patricia, tenho dificuldade de me relacionar com a palavra Deus, por isso faz mais sentido pra mim me relacionar com a experiência do Eu Superior, que você pode chamar de Self, de Eu Maior, entre outras denominações. Procure a experiência que faz sentido dentro do seu “mapa mental”. O importante é saber que essa limpeza das memórias ocorre a partir da alma e não do ego. A partir do seu centro, da única coisa que é permanente em você. A partir do seu eu transpessoal. Permita-se esse contato. É libertador.
Referência Bibliográfica
Limite Zero – Autor: Joe Vitale e Ihaleakala Hew Len, PhD

Pat Cuocolo é líder do projeto Mulheres Despertas
patriciacuocolo@hotmail.com

Siga a Rede Hestia:
error